Testes de Proficiência Estrangeira – por que fazer e quais são eles?

Globalização é um termo que começou a ser largamente utilizado no final dos anos 80, ou seja, há quase 30 anos. É com tristeza, portanto, que mesmo após este período, vemos no Brasil poucos estudantes com um nível avançado de conhecimento em uma língua estrangeira e capazes de aproveitar ao máximo o que o mundo globalizado tem a oferecer.

Sabemos o por quê de muitos brasileiros não adquirirem uma segunda língua – ensino público de baixa qualidade, a falta de recursos, dificuldades em utilizar a segunda língua – mas e aqueles que poderiam ter a oportunidade de fazê-lo?

Segundo dados da pesquisa da EF, o Brasil ainda pode ser considerado de baixa proficiência em língua inglesa. E se o inglês é de longe o idioma mais estudado no país, com mais de 6000 escolas de 70 redes diferentes, imagine como estamos em outros…

Somos o terceiro país com mais escolas de idiomas e ainda não conseguimos entender o inglês direito.

Somos o terceiro país com mais escolas de idiomas e ainda não conseguimos entender o inglês direito.

Mas o que é ser proficiente em uma língua estrangeira?

Proficiência, de acordo com os dicionários, significa ser “competente” em uma língua. Tal definição, no entanto, é bastante ampla, certo? Se eu sei pedir minha comida no restaurante sou proficiente? Em partes…

Para entender o nível dos falantes de língua estrangeira, algumas instituições criaram formas de avaliação desta capacidade de comunicação. A partir destas classificações, chegou-se a um censo comum que o aprendizado de línguas passa por 3 fases: o conhecimento básico, intermediário e o proficiente. Na Europa, inclusive, há o Quadro Europeu Comum de Referência para Línguas, que estabelece comparações dos níveis de conhecimento dos diferentes idiomas e os métodos de classificação reconhecidos por cada nação.

O Quadro Comum Europeu de Referência permite a comparação dos estágios de conhecimento das línguas

O Quadro Comum Europeu de Referência permite a comparação dos estágios de conhecimento das línguas

Por que ser proficiente?

Ao submeter-se a um destes métodos de classificação reconhecidos por cada país, você será considerado “falante proficiente” da língua, quando conseguir uma pontuação mais alta. O certificado atestando que você conseguiu atingir altos níves de conhecimento do idioma, além de “fechar com chave de ouro” seus estudos em uma língua, tende a trazer muitos benefícios, como:

– Proporcionar um diferencial para você conseguir uma vaga de trabalho bastante concorrida;
– Dar-lhe a confiança na hora de fazer negócios em um ambiente internacional;
– Possibilitar a entrada em uma empresa multinacional;
– Permitir que você possa estudar fora, sendo o PRIMEIRO PASSO PARA SER ACEITO EM UMA UNIVERSIDADE INTERNACIONAL (as universidades pedem a sua nota no teste);
– Qualificá-lo para uma vida acadêmica, seja publicando artigos na língua estrangeira ou lecionando o idioma.

Ser proficiente em uma língua estrangeira é o primeiro passo para aqueles que querem estudar fora

Ser proficiente em uma língua estrangeira é o primeiro passo para aqueles que querem estudar fora

Os testes de proficiência

São 4 as habilidades avaliadas nos testes de proficiência: leitura, escrita, gramática e expressão oral. Para atingir uma alta pontuação, você deverá dedicar-se a estudar bastante cada um destes quesitos.

Abaixo, estão listados os principais certificados de proficiência em língua estrangeira para você entrar em uma universidade fora (lembre-se que o inglês serve para você estudar fora em muitos outros países como Holanda, Suécia, etc):

Inglês

Quais os principais testes de proficiência de língua inglesa para quem quer estudar fora

Quais os principais testes de proficiência de língua inglesa para quem quer estudar fora

TOEFL

Exigido para ingresso em mais de 2.400 faculdades e universidades nos Estados Unidos e no Canadá, também é usado por instituições em outros países em que o inglês é o idioma acadêmico. Mede a capacidade de leitura, compreensão auditiva, redação e domínio da gramática da língua inglesa. Pode ser feito por computador ou com prova impressa.
Onde fazer: Escolas de inglês conveniadas
Inscrição: Durante todo o ano. Pode ser feita por fax, telefone, correio ou internet
Data das provas: De segunda a sexta e uma vez por mês aos sábados, durante todo o ano
Preço: internet-based TOEFL custa US$ 215
Site oficial: http://www.ets.org/toefl

IELTS

Além do TOEFL, é o certificado mais solicitado para entrar em universidades estrangeiras, e é o mais aceito na Grã-Bretanha, Austrália, Canadá e Nova Zelândia. É destinado, especificamente, para comprovar a proficiência em inglês para fins acadêmicos. Inclui redação, interpretação de texto, compreensão auditiva e expressão oral.
Onde fazer: Conselho Britânico, St. Giles, entre outras
Inscrição: Qualquer época do ano
Data das provas: Pelo menos uma vez por mês
Preço: cerca de R$ 500 – mas varia, de acordo com o câmbio da libra
Site oficial: www.ielts.org

GMAT

Necessário para quem quer fazer MBA em qualquer lugar atualmente. Mede qualificação nas áreas verbal em matemática e redação analítica.
Onde fazer: Escolas de conveniadas
Inscrição: Durante todo o ano. Pode ser feita por fax, telefone ou correio
Data das provas: De segunda a sexta e uma vez por mês aos sábados, durante todo o ano
Preço: US$ 250
Site oficial: http://www.mba.com/mba/thegmat

Espanhol

O teste mais difundido do espanhol é do Instituto Cervantes

O teste mais difundido do espanhol é do Instituto Cervantes

DELE

É o certificado oficial do Ministério da Educação, Cultura e Esporte Espanhol e do Instituto Cervantes. Utilizado para pedido de bolsas de estudo e ingresso em universidades. Com o diploma de nível avançado (C1 ou C2), pode-se dar aula de espanhol. O teste compreende questões de múltipla escolha, com questões de interpretação de texto e gramática. Também há testes de compreensão auditiva, redação e expressão oral.
Onde fazer: Institutos Cervantes, casas de cultura hispânica e universidades, além de colégios de língua espanhola. No Brasil: www.diplomas.cervantes.es/candidatos/centros_examen.jsp?pais=076
Inscrição: março, julho e setembro
Data das provas: maio, agosto e novembro
Preço: Para cada nível do Quadro Europeu Comum de Referência para as Línguas (QECR) existe uma prova:  Nível C1 cerca de R$385 (depende da cidade e instituto que vai aplicar o teste)
Site oficialwww.diplomas.cervantes.es

Francês

prova de proficiência francesa é aplicada pela Aliança Francesa

prova de proficiência francesa é aplicada pela Aliança Francesa

DELF/DALF
Concedidos pelo Ministério da Educação da França, são diplomas para estrangeiros, sem prazo de validade. Permite que você faça um curso superior na França ou nos países de língua francesa. Antes de fazer a prova para o DALF, é necessário prestar um teste de admissão ou ter o DELF nível 2. O nível exigido pelas universidades francesas geralmente é o B2, mas óbvio que você pode fazer o C1 ou C2, caso preferir.

Onde fazer: Aliança Francesa
Inscrição: setembro
Data das provas: novembro
Preço:
DELF B2 – R$ 335,00
DALF C1 – R$ 450,00
DALF C2 – R$ 510,00
Site oficial: http://www.ciep.fr/en/delfdalf/index.php

Alemão

Existem 2 testes: um para quem quer encarar a universidade em alemão e outro para quem vai fazer um curso em inglês

Existem 2 testes: um para quem quer encarar a universidade em alemão e outro para quem vai fazer um curso em inglês

DSH ou Test-DaF
O DSH é uma das provas para poder ingressar numa universidade alemã. O nível está entre C1 e C2 e o teste é aplicado pela própria universidade, sendo elaborada cada uma deles, o que pode ser uma desvantagem para quem pretende se preparar para uma certificação. Mas existe também uma outra prova com este mesmo fim, que se chama Test DaF. A principal diferença entre o Test DaF e o DSH é que o TestDaF é uma prova estandardizada, aplicada no mundo todo, onde houver pessoas autorizadas a aplicá-la. O aluno será nivelado em um dos níveis superiores, B2 ou C1, que de acordo com o TestDaF é chamado de nível 3, 4 ou 5, atribuídos para cada uma das habilidades linguísticas (falar, ler, escrever, ouvir). Se o candidato conseguir pelo menos o nível 4 em todas as provas, estará apto a estudar numa universidade alemã. O TestDaF também serve como comprovante internacionalmente reconhecido de proficiência avançada em alemão.
Onde fazer: Instituto Goethe
Inscrição: março e setembro
Data das provas: maio e novembro
Preço: €130 podendo variar de acordo com o centro de testes
Site: www.goethe.de/br

OnDaf

Para quem pretende estudar na Alemanha pelo Ciênca sem Fronteiras, é necessário ter proficiência em inglês (Ver os testes TOEFL e IELTS), mas também comprovar que tem o alemão pelo menos no nível A2 do Quadro Comum Europeu de Referência. O A2 é um nível bastante básico e serve apenas para que o intercambista não fique perdido no país que o receberá. O teste é baseado em preenchimento de lacunas e, portanto, também é bem simples.

Onde fazer: Online
Inscrição: qualquer período que esteja aberto os testes
Data das provas: depende do centro de aplicação
Preço: €15
Sitehttps://www.ondaf.de/ondaf/teilnehmer/cTeilnehmerPortalMenu.do?target=testZentrenweltweit

Anúncios

3 comentários sobre “Testes de Proficiência Estrangeira – por que fazer e quais são eles?

  1. Pingback: Tem no máximo 29 anos e uma ideia de Start up? A Organização dos Estados Americanos (OEA) oferece bolsas para Desenvolvimento de Ideias de Negócios em Seul | Estudos Internacionais

  2. Pingback: Tem no máximo 29 anos e uma ideia de Start up? A OEA oferece bolsas para o desenvolvimento de ideias de negócios em Seul | Estudos Internacionais

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s